Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

“Coringa”: Mark Hamill e Josh Brolin compartilham suas opiniões sobre o filme


Dois atores cujos nomes estão marcados na história da cultura pop falaram sobre a experiência de assistir ao filme “Coringa”, que já está em cartaz nos cinemas. Mark Hamill (que faz a voz do personagem em uma de suas versões animadas) e Josh Brolin (que tem como trabalho mais recente outro vilão famoso das HQ’s, Thanos) compartilharam suas opiniões sobre o longa em seus perfis oficiais no Twitter e no Instagram.

A produção estrelada por Joaquin Phoenix e dirigida por Todd Phillips sagrou-se vencedora do Leão de Ouro, prêmio máximo concedido pelo Festival de Veneza e sai como forte candidata a conseguir indicações em várias categorias do Oscar.

Confira as postagens abaixo, com as respectivas traduções:

https://twitter.com/HamillHimself/status/1180201861007101952?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1180201861007101952&ref_url=https%3A%2F%2Flampadanerd.com.br%2Fcoringa-joker-coringa-filme-coringa-mark-hamill-josh-brolin-reacao%2F

O filme “Coringa” estreia hoje. Os incríveis Joaquin Phoenix, Todd Phillips e Scott Silver reimaginam brilhantemente o personagem como nunca visto antes! Aprovado por aquela versão em quadrinhos da velha escola…eu.

View this post on Instagram

To appreciate “Joker” I believe you have to have either gone through something traumatic in your lifetime (and I believe most of us have) or understand somewhere in your psyche what true compassion is (which usually comes from having gone through something traumatic, unfortunately). An example of dangerous compassion would be to, say, make a film made about the fragility of the human psyche, and make it so raw, so brutal, so balletic that by the time you leave the theatre you not only don’t want to hurt anything but you desperately want an answer and a solution to the violence and mental health issues that have spun out of control around us. This film makes you hurt and only in pain do we ever want to change. It’s all in the irony of trauma — a fine line between the resentment of wanting to hurt society back for raping you of a decent life, for not protecting you, and accepting what feels like alien feelings with softening to those others who seem freakish in our era of judgment, and digital damnation. Like kids in Middle School: man, they can just be mean. For no reason. And, sometimes, those awful little clicky kids breed an evil in someone that rages much later, when everyone pretends we are all back to normal, when we all thought it had just manned up and gone away. We have a habit of hating and ostracizing and dividing and sweeping our problems under the rug. Joker, is simply lifting the rug and looking underneath it. Nothing more. Nothing less. It’s there.

A post shared by Josh Brolin (@joshbrolin) on

Para apreciar “Coringa”, acredito que você deve ter passado por algo traumático em sua vida (e acredito que a maioria de nós já passou) ou entender em algum lugar da sua psique o que é a verdadeira compaixão (que geralmente vem de ter passado por algo traumático, infelizmente).

Um exemplo de compaixão perigosa seria, digamos, fazer um filme sobre a fragilidade da psique humana e torná-la tão crua, tão brutal, tão ridícula que, quando você sai do teatro, não apenas não quer ferir nada, mas você deseja desesperadamente uma resposta e uma solução para os problemas de violência e saúde mental que ficaram fora de controle ao nosso redor.

Este filme machuca e só com dor nós queremos mudar. Está tudo na ironia do trauma – uma linha tênue entre o ressentimento de querer prejudicar a sociedade por privá-lo de uma vida decente, por não protegê-lo e aceitar o que parecem ser sentimentos estranhos, suavizando aqueles que parecem esquisitos em nossa era do julgamento e danação digital.

Como crianças do ensino médio: cara, elas podem ser más. Por nenhuma razão. E, às vezes, aquelas crianças horríveis produzem um mal em alguém que se enfurece muito mais tarde, quando todo mundo finge que todos voltamos ao normal, quando todos pensávamos havíamos deixado pra lá.

Temos o hábito de odiar, ostracizar, dividir e varrer nossos problemas para debaixo do tapete. Coringa está simplesmente levantando o tapete e olhando embaixo dele. Nada mais. Nada menos. Está lá.

da Redação CFNotícias