Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: A Morte te dá Parabéns 2


“A Morte te dá Parabéns 2” (Happy Death Day 2U) é o segundo capítulo da agora franquia, iniciada em 2017. Dirigido e roteirizado por Cristopher Landon, o filme segue a protagonista Tree Gelbman (Jessica Rothe) novamente presa em um ciclo de mortes, à moda de “O Feitiço do Tempo”, porém desta vez, ela se vê em um mundo com mudanças sensíveis, se deparando com novos desafios.

Enquanto “A Morte te dá Parabéns” tentava se manter mais sério, ainda que com elementos cômicos saltando à vista, a sequência assume um tom mais descontraído, reforçando elementos presentes no original, como mortes esdrúxulas e a construção dos personagens, e adicionando alguns de ficção científica à mistura. Ainda assim, não é uma sequência só de nome, e não só continua, como explica, a trama do original.

O longa consegue evitar um humor crasso, integra bem a comédia em sua trama, não se relegando a piadas introduzidas nos diálogos e também não perde a parte importante do suspense. Em suma: foge da fórmula estabelecida por “Todo Mundo em Pânico”, que por um tempo foi muito difundida em filmes que abordam os dois gêneros cinematográficos – terror e comédia – ao mesmo tempo.

Os aspectos técnicos são competentes e não usam técnicas desnecessárias ou querem se mostrar mais do que são. As atuações são medianas, nada digno de Oscar. Por sua vez caem bem nos personagens designados, e combinam com o tom excessivo em tela. Destaque vai para Jessica Rothe, que transmite de maneira convincente os dramas da protagonista Tree, ainda que esta, como os outros, pareça exagerada.

Por fim “A Morte te dá Parabéns 2” pode ser bem diferente do original, porém usa elementos deste para criar uma narrativa atraente. Talvez não seja um título ideal para todos os fãs de filmes do gênero terror propriamente dito, mas com certeza vai agradar aqueles que assistiram a filmes antigos cujos aspectos que abraçam o absurdo pareciam mais cômicos que assustadores, o que é fundamental em uma boa comédia de terror.

por Ícaro Marques – especial para CFNotícias