Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: A Sereia – Lago dos Mortos


O novo filme de Svyatoslav Podgaevskiy, traz muitas semelhanças, infelizmente, com seu trabalho anterior, “A Noiva” (2017). Apesar de, assim como neste caso também, o diretor trabalhar com um tema folclórico interessante de seu país, a execução deixa muito a desejar.

Em “A Sereia – Lago dos Mortos”, vemos novamente a bela atriz Viktoriya Agalakova, dessa vez como Marina, em um roteiro que se perde em decidir se ela é a protagonista da trama ou não. E infelizmente, não é só nisso em que o filme se perde. Da mesma forma como em “A Noiva”, o longa cai em um roteiro confuso e personagens mal trabalhados.

A produção que conta com o roteiro assinado pelo diretor Podgaevsky, Natalya Dubovaya e Ivan Kapitonov, não tem um bom andamento e parece ter feito decisões ao longo das próprias filmagens. A dublagem americana, sofrível, também não ajuda os personagens a parecerem críveis. Legenda por legenda, trazer o áudio em russo teria sido uma opção melhor.

No longa vemos Marina tentar salvar seu namorado de uma maldição causada justamente pela Sereia do título. Esse mote, que poderia ter um desenrolar interessante ao trazer para a atualidade o mito da sereia, se perde ao não desenvolver bem a própria vilã do enredo.

Ora a personagem parece um fantasma, ora ganha toques demoníacos, e apenas em alguns momentos é trabalhada como realmente uma sereia, confundindo-se por vezes com a forma de um peixe marinho.

Não há uma identidade visual na trama, e há um uso indiscriminado de jump scare, o que é uma pena. O roteiro também subestima o telespectador ao usar escolhas fáceis, seja na trilha sonora ou nas fórmulas batidas, e não cria uma história que realmente faça sentido.

O diretor parece, infelizmente, ainda não ter aprendido com os erros de seus filmes anteriores e deixou escapar uma ótima oportunidade de trabalhar com um tema tão rico e sedutor quanto o da sereia por uma ótica diferente como a russa. Mas fica ainda a esperança de que obras melhores virão.

por Isabella Mendes – especial para CFNotícias