Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: Angry Birds – O Filme


Cena de Angry Birds: O Filme

Depois de parar em vários celulares, tablets e até na televisão, chegou a hora dos nervosinhos simpáticos dos Angry Birds ganharem as telas de cinema. Mesmo sem trazer algo inovador para o mundo das animações, “Angry Birds: O Filme” diverte e cativa com suas imagens coloridas e personagens carismáticos.

Para quem curte o jogo, a boa notícia é que um dos pontos mais fortes do filme é justamente saber encaixar os principais elementos da franquia. Isso quer dizer que os fãs podem ficar tranquilos, afinal de contas, não faltam pássaros sendo arremessados de um estilingue. E o melhor: há uma razão coerente para isso acontecer.

Além disso, os protagonistas são interessantes e criam empatia com o público. Nesse ponto, quem rouba a cena é o amarelinho Chuck (Fábio Porchat/ Josh Gad), dono das melhores tiradas do filme. Quem também vale destacar é o protagonista Red (Marcelo Adnet/ Jason Sudeikis), que, mesmo irritado, é carismático com suas sobrancelhas grandes.

Na história, o vermelhinho tem problemas para controlar a sua raiva e, por isso, é o mais excluído na ilha em que vive. Frequentando um grupo de apoio, liderado por Matilda, ele conhece o veloz Chuck e o volátil Bomba, que nunca tiveram suas habilidades reconhecidas.

Tudo começa a mudar na vida dos três quando um grupo de porcos verdes chega de maneira inesperada. Desconfiado da pompa e das intenções dos suínos, Red e seus novos amigos tentam descobrir o verdadeiro plano dessa misteriosa gangue, que começou a mexer com toda a vida dos pássaros.

É verdade que a trama é bem batida (um herói renegado que tenta mostrar o seu valor para os demais), mas o longa consegue cativar devido às suas piadas inteligentes e ótimas sacadas para o público adulto e amantes da cultura pop em geral.

Resumindo: “Angry Birds: O Filme” está longe de ser uma animação brilhante, como “Divertida Mente” e “Zootopia: Essa Cidade é um Bicho”, mas é envolvente, inteligente e viciante, assim como o jogo original. “Bora pro cinema conferir!”.

Por Pedro Tritto – Colunista CFNotícias

Tags: