Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: Cidade Invisível (1ª Temporada)


Curupira, Cuca, Saci Pererê, Boto Cor de Rosa, Sereia Iara, etc. Esses são alguns dos personagens mais importantes do folclore brasileiro, certo? Se não conhece ou quer saber mais sobre eles, a opção é ver a série “Cidade Invisível”, criada por Carlos Saldanha, que está disponível na Netflix e aborda essas lendas. O mais legal é que elas estão inseridas em um contexto atual do nosso dia a dia.

E olha que o resultado é bastante interessante! Isso porque as histórias desses mitos estão misturadas em uma narrativa envolvente, com um bom suspense e um mistério bem intrigante ao longo dos sete episódios.

Na trama, Eric (Marco Pigossi) é um sujeito que trabalha para a Polícia Ambiental do Rio de Janeiro, que sofre uma tragédia pessoal quando sua esposa (Julia Konrad) é morta após um incêndio numa floresta. Um mês depois da perda, ele volta ao trabalho para poder cuidar da filha, Luna (Manuela Dieguez). Em seu primeiro dia, já encontra o corpo do Boto Cor de Rosa morto na praia.

Pouco depois, o oficial descobre que o animal na verdade é um homem da mesma comunidade que sua mulher trabalhava. Investigando o caso, ele começa a ver conexões estranhas com a morte de sua parceira.  A partir daí, o protagonista passa a investigar pessoas misteriosas, como Inês (Alessandra Negrini), Tutu (Jimmy London) e Camila (Jéssica Cores).

É aí que as coisas engrenam. Conforme os episódios vão avançando e vamos conhecendo mais sobre esses personagens, mais curiosos ficamos em saber qual é o papel de cada um na narrativa. Talvez o ponto negativo aqui seja a falta de profundidade de alguns temas relevantes, como a trajetória de Afonso (Rubens Caribé), dono de uma empresa poderosa que quer tomar as terras onde vive a comunidade principal do seriado.

No primeiro momento, “Cidade Invisível” pode lembrar a série “Once Upon a Time”, em que personagens de contos de fadas são colocados no mundo real após uma maldição jogada pela Rainha Má (Lana Parrilla). No entanto, as coisas aqui são bem diferentes, o que é ótimo!

Ok, também temos maldições e criações clássicas inseridas no dia a dia comum da sociedade. Por exemplo, há um momento em que vemos a Sereia Iara cantando num bar para ganhar a vida. Aliás, sua interpretação da música “Sangue Latino”, do conjunto Secos e Molhados, é uma das melhores coisas da temporada.

O que quero dizer é que a obra de Saldanha não é uma cópia da americana. Longe disso, afinal de contas, seus protagonistas são colocados em um contexto bem próprio do Brasil e aborda assuntos totalmente diferentes. Para quem curte cultura brasileira e um bom enigma, a série é uma boa pedida.

por Pedro Tritto – Colunista CFNotícias