Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: Encanto


Chega aos cinemas, “Encanto” (Encanto), a nova animação da Disney Studios, que irá encantar (literalmente) crianças e adultos de todas as idades e até mesmo aqueles que não são fãs do gênero. A produção promete muita emoção e sensibilidade nas telas.

Conhecemos a história sobre a família Madrigal que possui uma casa mágica e os membros possuem poderem incomuns. A cada novo nascimento, a criança – ao atingir certa idade – descobre o seu dom, menos Mirabel (voz de Stephanie Beatriz, na versão original), que é uma jovem muito inteligente e feliz, mas que não recebeu nenhum tipo de poder – e justamente isso que pode ser o que salvará seus entes queridos quando uma terrível ameaça surgir para destruir a magia.

Os gráficos e roteiro estão impecáveis, temos uma trama muito bem centrada e com segmentos de cena perfeitos. Mas o que mais me chamou a atenção foi a relação que percebi entre os poderes e assuntos da vida de muitas pessoas, pois, há uma crítica social muito forte aos problemas enfrentados por muitos indivíduos que buscam seu lugar no mundo e são obrigados a cumprir certas normas indo contra seus próprios corações.

Os dons da família Madrigal podem parecer uma benção aos de fora, mas também são uma obrigação que suprime as vontades individuais e forçam as pessoas a representar um papel para  agradar a sociedade em que vivem.

A lição que podemos tirar com a animação é: seja você mesmo e utilize seus dons para ajudar, mas sem se perder no processo. É uma história de união e em muitos momentos, é evidenciado certo distanciamento de parte da família em relação à Mirabel por ela não ter poderes, mas nada muito grave.

Só que a garota dá a volta por cima e demonstra que o verdadeiro dom vem do coração e da alma, e segue na incansável busca do que é verdadeiro e belo em todas as pessoas, independente de quem seja.

Há reencontros emocionantes e perigos que podem colocar tudo a perder, mas Mirabel precisará encontrar dentro de si a força necessária para lutar e entender que ela mesma precisa mudar.

Vá ao cinema com o coração aberto, mas com o corpo fechado (e máscara no rosto!) para evitar qualquer problema nessa pandemia que enfrentamos.

por Clóvis Furlanetto – Editor

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Disney Studios.