Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: “Helena Blavatsky – A Voz do Silêncio”


Com a pandemia e a necessidade de isolamento social, uma das alternativas do teatro são as peças veiculadas virtualmente, em plataformas digitais, e monólogos, de montagem intimista, são perfeitos para o momento em que vivemos.

Esse é o caso da peça “Helena Blavatsky – A Voz do Silêncio”, que devido ao sucesso da primeira temporada nas plataformas digitais, retorna em cartaz na versão on line para curta temporada, trazendo de volta a visionária Blavatsky, vivida pela atriz Beth Zalcman, em monólogo com texto da filósofa Lucia Helena Galvão, e encenação de Luiz Antônio Rocha.

Nome de destaque do século XIX, Helena Petrovna Blavatsky foi conhecida por confrontar as correntes ortodoxas da ciência, da filosofia e da religião. A escritora russa foi famosa por sua busca de sabedoria antiga e sua obra influenciou diversos cientistas e artistas como Thomas Edison, James Joyce e Fernando Pessoa.

O roteiro da peça foi o primeiro texto para teatro a ser escrito pela filósofa Lucia Helena Galvão. Na peça acompanhamos Blavatsky já no fim de sua vida que, em uma conversa com o espectador, rememora sua vida e relembra de momentos importantes como suas viagens ao redor do mundo, sua forte ligação com a Índia e seu encontro com o jovem Gandhi em Londres.

Ao revisitar suas memórias e seu vasto conhecimento adquirido pelos quatro cantos do mundo, ela se depara com a força do comprometimento com sua missão de vida e as consequências de suas escolhas. “Helena Blavatsky – A Voz do Silêncio” se propõe a ser um mergulho no universo que existe dentro de todos nós.

A montagem, segundo a produção, propõe uma dramaturgia inspirada no conceito desenvolvido pelo artista Leonardo da Vinci em suas obras, conhecido como sfumato, técnica descrita como sem linhas ou fronteiras, conceito também usado por Blavatsky em sua vida.

O ponto de partida para a direção de arte, cenário e figurino foi baseado em algumas pinturas do artista impressionista Édouard Manet, adequado para traduzir a beleza e solidão dos últimos instantes da vida de Blavatsky.

A luz, e por vezes a falta dela, que tem um papel importante na montagem é utilizada de forma muito interessante e a configuração do cenário se ajusta perfeitamente ao formato de exibição virtual.

A peça está em cartaz on-line, aos domingos, às 19h30 e às terças , às 20h30, com ingressos vendidos pela plataforma Sympla e transmissão do espetáculo pela plataforma Zoom. Parte da bilheteria da peça (20%) será destinada para o programa Criança para o Bem, que beneficia crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social.

por Isabella Marques – especial para CFNotícias