Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: John Wick 3 – Parabellum


“John Wick 3 – Parabellum” realizou um feito que poucas franquias conseguem fazer: manter suas continuações interessantes, internamente coerentes e até mesmo se superando em certos aspectos.

Engana-se quem acha que o trunfo do novo filme está em um roteiro profundo e atuações brilhantes, a franquia neo noir de ação e suspense nunca focou nesses aspectos, e dessa vez não foi diferente. A trama foca em ser um título de gênero e faz isso muito bem.

O diretor Chad Stahelski utiliza sua experiência como dublê para trazer coreografias belíssimas e, além disso muita beleza nos planos longos, nas posições das câmeras, nas cores, nos cenários e planos de fundo, mantendo a série de filmes um deleite aos olhos. Não é a toa que o passado de John Wick (Kenu Reeves) se  encontre numa escola de balé, interessantemente retratada no longa.

Em “Parabellum” acompanhamos John no exato momento em que o último longa da série havia acabado, numa tentativa de sobreviver em Nova York depois de ter quebrado uma regra crucial: ter tirado a vida de alguém no território do Continental Hotel e de ter um contrato aberto de US$ 14 milhões por sua cabeça.

Com uma hora de carência antes de ser “excomungado”, oferecida por Winston, o gerente do hotel, vemos John lutando pela sua sobrevivência e para sair da cidade, em busca do que poderia ser uma redenção dentro da corporação quase religiosa de assassinos. Ele faz isso, claro, matando várias pessoas pelo caminho, das mais diversas formas, mostrando o porquê do personagem ter se tornado conhecido como “Baba Yaga”.

Apesar de problemas em algumas partes da narrativa, principalmente no terceiro ato, o filme enriquece muito a mitologia da franquia e é um prato cheio para os que já se tornaram fãs dos primeiros capítulos. No entanto, corre o risco de ser levemente confuso para quem chegar desprevenido e buscar mais do que belas cenas de ação e uma fotografia bonita.

Com sequências incríveis, como a do antiquário e a de Casa Blanca com Halle Berry no papel de Sofia (um dos mais bem construídos personagens de toda a franquia inclusive), a produção consegue colocar de forma crível itens que não funcionariam bem em outros filmes e é um belo acréscimo à franquia, que aparentemente ainda contará com uma quarta continuação que pode, se continuar seguindo esse caminho, ser muito bem vinda.

por Isabella Mendes – especial para CFNotícias