Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: Mato Sem Cachorro


semcachorro_capaToda comédia romântica nacional me faz lembrar as novelas da Rede Globo. Não adianta, é a primeira coisa que me vem à mente. Mas alguns filmes nacionais deste gênero são realmente muito bons, engraçados e conseguem fugir dos enredos de novela. Os dois longas da série “Se eu fosse Você” são bons exemplos, assim como “De pernas pro ar”, um e dois. O mais novo a entrar para essa lista de comédias brasileiras interessantes é “Mato sem cachorro”, que estreia hoje nos cinemas.

O personagem principal deste longa é nada mais nada menos que um cachorro, Guto – interpretado por dois lindos cães da raça  English Sheperd, que se revezaram no papel. Guto era um filhotinho de rua, até que Deco (Bruno Gagliasso) quase o atropela e logo depois o adota.

No mesmo dia em que quase atropela o cãozinho, Deco conhece Zoé (Leandra Leal), que estava andando na rua naquele exato momento. Ela o acompanha até o veterinário e ambos descobrem que Guto sofre de “narcolepsia canina”, uma doença na qual ele cai no sono, toda vez que fica muito tenso, assustado ou alegre.

Logo após o “quase atropelamento” e a adoção do cachorro, Deco e Zoé se apaixonam e passam a cuidar de Guto, até que o relacionamento termina, dois anos depois. Então a vida de Deco desmorona, pois ele não se conforma que perdeu a namorada e também seu cachorro.

No decorrer da história o filme se torna cada vez mais engraçado, com os desmaios de Guto e as peripécias do relacionamento de Deco e Zoé. O fato é que a garota não consegue tirar o namorado da mesmice e ele acha que sua vida está ótima, normal. É justamente pelo conformismo de Deco, que ela termina tudo e acaba namorando o dono de uma pet shop (Enrique Diaz).

Além das cenas hilárias com Guto, Bruno Gagliasso também tira boas risadas do público, com sua barba enorme, óculos e o jeito de nerd bobinho. E ainda há o humorista Danilo Gentili, que interpreta Leléo (primo de Deco), que fala e faz inúmeras besteiras do início ao fim do filme.

Todos estes fatores tornam “Mato sem cachorro” um filme bastante engraçado, sem muita malícia ou maldade, que pode ser visto por toda a família. Vale a pena prestigiar esse elenco dirigido por Pedro Amorim nas telonas brasileiras.

 por Tabatha Moral Antonaglia especial para CFNotícias

Tags: