Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: Meu Extraordinário Verão com Tess


“Meu Extraordinário Verão com Tess” (My Extraordinary Summer with Tess) é uma das apostas da semana da plataforma Cinema Virtual.  O filme de Steven Wouterlood é divertido e detém uma sensibilidade encantadora, isso porque a essência infantil é muito bem preservada nas diversas camadas existentes na produção.

O longa holandês acompanha o protagonista Sam (Sonny Coops Van Utteren), um garoto de 10 anos em uma viagem de férias, durante as quais ele conhece a cativante Tess (Josephine Arendesen), e as crianças desenvolvem uma amizade intensa.

O pequeno Sam é um menino curioso sobre o mundo e dotado de uma sensibilidade incomum. Com a certeza de que será o último de sua família a morrer (por ser o membro mais jovem) ele decide fazer um treinamento para se acostumar com a solidão. Já Tess, um ano mais velha que Sam, é irreverente, decidida e visivelmente mais madura que o garoto – foi criada somente por sua mãe e já flerta com valores feministas.

O filme é baseado no livro homônimo de Anna Woltz, e é cheio de frases de efeito (talvez até um pouco clichê), mas mantém muito bem as peculiaridades e a inocência que habitam a cabeça de crianças. Muito sutilmente e sem a necessidade de ser explícito, são apresentados sentimentos como medo, saudade, culpa e as mazelas de um possível primeiro amor.

Entretanto, a produção tem um ar adulto no momento em que enfrenta as inseguranças de Tess, quando a garota bola um plano para se aproximar de quem ela supostamente acredita ser seu pai, Hugo (Johannes Kienast).

A comédia dramática é cheia de paisagens deslumbrantes e alguns personagens que beiram o caricato, como o adolescente reclamão, o pai alto-astral e o idoso misterioso que revela sua imensa sabedoria. Contudo, Josephine e Sony apesar de ainda muito jovens, convencem bastante como protagonista e entregam a carga dramática exigida.

Fica impossível assistir ao título e não pensar em filmes como “Meu Primeiro Amor” (1991) e “Ponte para Terabítia” (2007), que, apesar de terem propostas completamente diferentes, mantêm a doçura e imaginação que permeia os primeiros anos da vida de qualquer ser humano. Aliás, a produção é uma daquelas que nos fazem pensar “Eu deveria ter lido o livro”.

“Meu Extraordinário Verão com Tess” tem potencial para agradar toda família. Confira.

Crédito das imagens: Bert Nijman.

por Carla Mendes – especial para CFNotícias

*Título assistido via streaming, a convite da Elite Filmes.