Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Crítica: O Oficial e o Espião


Chega aos cinemas nacionais a mais recente produção de Roman Polanski, “O Oficial e o Espião” (J’accuse). O cineasta que assina obras como: “O Pianista”“Deus da Carnificina” e “O Último Portal”, desta vez recria um fato histórico na França no final do século XIX.

O longa tem início com a proclamação da sentença aplicada ao Capitão Dreyfus (Louis Garrel), um dos poucos judeus no exército francês, acusado de alta traição. O homem se declara inocente, inutilmente, perde todas as honras, enquanto a população inflamada profere desaforos a ele.

Toda composição da cena é repleta de tensão, um silêncio angustiante que de repente é quebrado pelo anúncio da pena – é tão imersivo que conseguimos ouvir claramente o barulhos das vestes sendo rasgadas, respirações ofegantes. É possível sentir a tensão. Outro ponto positivo é atuação de Garrel, que é brilhante, mesmo ele tendo pouquíssimos diálogos durante o longa.

Logo após a condenação de Dreyfus, o oficial Picquart (Jean Dujardin), é promovido a chefe do Departamento de Inteligência do exército francês. Sem experiência alguma na função, ele começa a entender como tudo funciona, e percebe que há peças que não se conectam no quebra-cabeças que é a acusação do Capitão Dreyfus.

Picquart, cuja maior paixão é o exército, acredita em fazer o que é certo, doa a quem doer. Porém, na busca por esclarecer os fatos e denunciar o verdadeiro espião, ele descobre uma rede de mentiras que coloca em risco sua posição e sua vida.

O longa estreou no Festival de Veneza, na ocasião o foi aclamado e recebeu o Grande Prêmio do Júri, dentre outros. A produção também foi indicada em 12 categorias do Cézar (Equivalente ao Oscar, na França), e venceu três delas, inclusive a de Melhor Direção, para Polanski.

É inegável a sutileza, capacidade técnica e maestria do diretor. O filme é impecável, a escolha dos atores foi magnífica, a trilha sonora contribui para imersão e foi milimetricamente pensada para isso.

Um legitimo filme francês com um ritmo muito particular. Confira.

por Carla Mendes – especial para CFNotícias

*Filme assistido durante a Cabine de Imprensa promovida pela California Filmes.