Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Entrevista: Fomos à Coletiva de Imprensa de “A Vida Invisível”


Na tarde de hoje, 18 de outubro, participamos da Coletiva de Imprensa do filme “A Vida Invisível”. No local estavam presentes o diretor Karim Aïnouz, o produtor Rodrigo Teixeira, as atrizes Fernanda Montenegro, Julia Stockler, Carol Duarte, Maria Manoella, o ator Gregório Duvivier, e grande parte da produção. O evento que ocorreu logo após a exibição do longa para jornalistas, rendeu histórias sobre a construção do longa e como ele ainda está relacionado com a nossa atualidade.

A narrativa se passa durante os anos de 1950. Questionado sobre a escolha desse período, Karim respondeu que existe um esforço maior em produzir algo de época, do que filmes contemporâneos em geral. Além disso, o diretor ainda frisou dois motivos muito significativos para a escolha dessa década: o quanto as mulheres conquistaram muita coisa desde aquele ano e o quão pouco os homens mudaram no decorrer desse tempo.

Karim também explicou que existe uma simbologia para a escolha da década de 1950, já que ela antecede grandes mudanças, como a Revolução Sexual, a invenção da pílula anticoncepcional e o processo legal do divórcio, que sem dúvida representavam uma conquista muito grande para o movimento feminista, deixando claro que esse não é um filme de época, mas é sobre uma.

Rodrigo Teixeira comentou um pouco sobre o orçamento do filme, que custou cerca de 7 milhões de reais. Ele explicou que a produção contava com recursos públicos, mas que um pouco antes das filmagens começarem, descobriu que a verba não seria liberada a tempo, por conta das mudanças na diretoria da Ancine. O produtor ainda falou sobre as parcerias, contou que a produção não precisou da cota de muitos patrocinadores, apenas daqueles que de fato acreditavam no filme.

A obra possui uma mensagem bem clara sobre o machismo e sobre todo o preconceito que a mulher sofria por querer fazer escolhas e se libertar de uma sociedade tão retrógrada. Julia, Carol e Maria Manoella, falaram um pouco sobre suas personagens e destacaram características de um sistema patriarcal, além do abuso sexual marital. Gregório Duvivier, que interpreta um marido abusivo, complementou a colocação das atrizes, mencionando que apesar de seu personagem ser de outra época, ele é, ao mesmo tempo, muito atual.

Fernanda Montenegro abrilhantou a coletiva com seu bom humor e suas colocações muito bem estruturadas sobre o que ela pensa sobre o cinema e todas as suas personagens. Quando questionada sobre qual era a fonte de sua inspiração, sem hesitar respondeu que é a vida, pois acabou de completar 90 anos e ainda está sendo convidada para trabalhar. Referente às críticas feitas pelo Presidente da República, sobre ser chamada de sórdida, Fernanda brincou dizendo não ser ela e completou dizendo que ele deveria procurar um tratamento que o conduza a uma realidade de vida.

Rodrigo Teixeira finalizou a coletiva fazendo um apelo, não só para a mídia, mas para o público. “A Vida Invisível” é candidato a uma das vagas ao Oscar em 2020 na categoria de Melhor Filme Estrangeiro e o produtor fez questão de frisar o quanto a divulgação desse longa e das demais produções brasileiras são importantes, principalmente em tempos em que devemos lutar contra um governo intolerante e provar para os governantes que, independente das dificuldades impostas, o cinema e a cultura continuarão firmes.

Crédito das fotos: Victória Profirio.

por Victória Profirio