Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Entrevista: Fomos à Coletiva de Imprensa de “O Juízo”


Na tarde de hoje, 02 de dezembro, participamos da Coletiva de Imprensa de “O Juízo”. No local estavam presentes o diretor Andrucha Waddington, a roteirista Fernanda Torres e os atores Carol Castro, Felipe Camargo e Criolo. O evento ocorreu logo após a exibição do longa para jornalistas, onde a produção e o elenco responderam as dúvidas sobre o surgimento desse projeto.

Andrucha deu início às entrevistas comentando sobre como foi o processo de escolha do elenco. O diretor contou que embora seja um filme que tenha apenas sete personagens, a junção do casting aconteceu aos poucos, e que cada ator escolhido ofereceu muita precisão e personalidade para os personagens que seriam vivenciados.

Em relação às questões visuais, como a fotografia e o enquadramento das cenas, Waddington mencionou que tinha o desejo de que essa produção fosse realizada em tons cinzentos e nublados, e que até conseguiu a ajuda da natureza para que isso se concretizasse, já que durante dois meses de filmagem, o sol só apareceu em dois dias.

Outro grande desafio enfrentado pela equipe durante as gravações, era que a casa escolhida para as realizações das filmagens não possuía eletricidade – entretanto, essa questão acabou vindo a calhar, já que uma das propostas do longa era que toda a ambientação fosse bem escura. O diretor também revelou uma curiosidade interessante: todas as cenas que foram gravadas dentro dessa locação eram iluminadas apenas por velas.

Quando questionada sobre a ideia do roteiro, Fernanda Torres contou que sempre que visitava Minas Gerais, observava as histórias sobre carmas que assolavam não só as fazendas da região, mas o nosso país. A roteirista comentou sobre a herança da escravidão e o extrativismo que no longa é voltado principalmente aos diamantes; ainda ressaltou que acreditava que Minas renderia uma boa história de terror e suspense, principalmente em uma fazenda que representa uma dívida eterna sobre o período do escravismo.

Criolo comentou que infelizmente não falta terror e drama em nosso país, e complementou a fala de Fernanda, dizendo que mais uma vez a arte está nos proporcionando um espaço para nos questionarmos sobre como as coisas chegaram a esse ponto. As questões sociais, o afeto, a construção das famílias, para o ator todos esses aspectos estão distribuídos em camadas, nas quais cada indivíduo busca um panorama positivo sobre a cultura do nosso povo e as nossas histórias.

Em meio aos problemas relacionados à cultura, e principalmente ao audiovisual, 2019 ainda foi um grande ano para as produções brasileiras. Questionado sobre o atual cenário político, Andrucha mencionou que a sétima arte faz parte da identidade cultural do país e que sempre existiram tanto momentos duros quanto favoráveis. Ainda ressaltou que, o importante é continuar lutando para que a pluralidade continue sendo pauta fundamental da identidade do nosso cinema.

“O Juízo” estreia na próxima quinta-feira, 05 de dezembro e logo tem Crítica Completa aqui no site.

Crédito das fotos: Victória Profirio.

por Victória Profirio