Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Entrevista: Fomos à Coletiva de Imprensa de “Playmobil – O Filme”


Na tarde de hoje, 05 de dezembro, aconteceu a Coletiva de Imprensa com o diretor Lino DiSalvo, em razão do lançamento de “Playmobil: O Filme”. O longa é a estreia de DiSalvo no mundo da direção, e tem estreia marcada para dia 12 de dezembro.

Um dos temas mais constantes durante entrevista foi sobre a escolha dos personagens e sets de Playmobil e como foi feita a integração à trama. DiSalvo explicou que em um primeiro momento, a escolha se deu pelos sets que a equipe achava interessantes, porém isso resultou em um desconjuntamento da relação dos cenários com a trama.

Desta forma, decidiram por ver os temas e escolher cenários que se encaixassem ao que poderia ser dito pelo roteiro, exemplificando que um dos primeiros sets a aparecerem no filme foi o Viking, em meio a uma batalha, para que a personagem principal, Marla, estivesse não só deslocada, mas também apavorada.

Lino também afirmou ter colocado várias referências a outras coleções, ainda que não aparecessem como partes efetivas, mas como easter eggs – um exemplo é a pequena ponta da nave do set espacial original da década de 1970, e outra a breve aparição de um famoso veículo da cultura nerd durante uma perseguição.

O diretor assumiu o projeto dando sua visão própria sobre o brinquedo: diferente de Lego que mais focado em construir, Playmobil é narrativo e tem como foco criar histórias. Lino também comentou que sempre teve ligação com a linha de brinquedos, tendo seu primeiro contato através de parentes na Europa, e mais recentemente com seus filhos, sendo estes a grande inspiração para vários elementos dentro da trama.

Ainda sobre inspirações, falou sobre a criação das personalidades únicas a cada personagem da história e citou os exemplos do espião claramente tirado do James Bond de Roger Moore, do viking baseado no personagem Conan interpretado nos cinemas por Arnold Schwazenegger – o qual quase conseguiram contratar para dublar a versão animada –, e do pequeno robô que não é inspirado em filme nenhum, mas nas brincadeiras do diretor quando jovem (e que ele mesmo dublou).

Lino também explicou como desenvolveu a ideia dos movimentos dos personagens, sendo que as pernas e braços dos bonecos ainda que se movam, têm consideráveis limitações. Houve uma preferência em mostrar o movimento de maneira diferente através de cortes, deixando sempre estes em uma única posição para simular a rigidez, sem perder a flexibilidade.

Isto também se refletiu na escolha do método de animação.  Uma das ideias iniciais, como era de se esperar num filme sobre brinquedos, seria fazer em stop motion, mas como isso seria muito limitante para os personagens e para a narrativa. Outra opção seria usar animação tradicional, porém a trama parecia não encaixar nisto, o que resultou na adoção do uso de live action com animação CGI.

Por fim, Lino também comentou como foi trabalhar Anya Taylor-Joy, cuja filmografia envolve títulos mais sombrios, explicando que a atriz se animou a fazer o filme justamente por se tratar de um musical, o que ela estava à procura de fazer um há algum tempo.

“Playmobil – O Filme” será lançado no dia 12 de dezembro nos cinemas brasileiros e a crítica você lê aqui na CFNotícias, na data de estreia.

Crédito das fotos: Angela Debellis.

por Ícaro Marques – especial para CFNotícias