Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Jurassik Park 3D


jp_cfn_textoBem-vindo de volta ao Jurassic Park.

Com a proximidade do vigésimo aniversário de um dos maiores sucessos da Universal Pictures, o estúdio decidiu relançar os filmes nos cinemas em todo o mundo, trazendo a ideia de uma versão 3D de uma das aventuras favoritas da Universal para os proprietários dos cinemas, restaurada impressionantemente em 4K.

À medida que a tecnologia muda e transforma a maneira pela qual os cineastas podem contar histórias, o 3D trouxe a possibilidade de levar as plateias para dentro do Jurassic Park que STEVEN SPIELBERG estava filmando subconscientemente.  Esse tipo de design não só permite uma jornada inesperada e nostálgica para aqueles que adoraram o filme em 1993, ela oferece a chance para novas plateias darem uma volta inesperada com as criações brilhantes de STAN WINSTON e da INDUSTRIAL LIGHT AND MAGIC’s (ILM).

Embora uma geração inteira tenha assistido na tela da TV enquanto Lex e Tim sobrepujam astutos Velociraptors e olhado pasma enquanto a Dra. Sattler e o Dr. Grant esbarram em uma manada de graciosos, eles não foram capazes de imergir por completo nas paisagens e sons da exuberante e mortal Isla Nublar, do modo que MICHAEL CRICHTON e DAVID KOEPP sonharam.  Até agora.

Quando Steven Spielberg filmou originalmente Jurassic Park, seu elenco e equipe tiveram a sorte de estar rodeados pelas incríveis criações de dinossauros no cenário 3D de Winston para inspirá-los no set. Junto com a incrível CG (computação gráfica) da ILM e os momentos dramáticos humanos, Jurassic Park naturalmente se prestou para uma experiência de imersão na nova versão.

Seja nas cenas pesadas de ação como o épico combate entre o Velociraptor/T. rex ou na pacífica cena em que a Dra. Sattler e John Hammond conversam tomando sorvete sobre as ramificações da visão de Hammond, Spielberg filmou esses quadros originais para passarem uma sensação multidimensional.  Quando esse novo processo começou a ser usado, as escolhas passadas do diretor se provaram ser uma enorme ajuda para a Stereo D enquanto o estúdio convertia o conteúdo de Jurassic Park para imagens estereoscópicas em 3D.

Para evoluir ainda mais essa épica ação de aventura, foi necessário que mais de 700 artistas isolassem cada pequeno detalhe dentro de cada quadro, acrescentasse profundidade para a tomada e então a redimensionasse para 3D para esticar a tela.

Não temam puristas!  Durante a conversão, Spielberg teve cautela para não alterar significativamente as cenas ou acrescentar novos efeitos sonoros ao original.  Ao contrário, o objetivo foi focado em modificar o formato.  Seja a ideia de Spielberg de adicionar chuva no fundo quando vemos pela primeira vez o T. rex ou estilhaços voando em direção aos nossos olhos quando o Explorer se choca ao cair da árvore, seu objetivo foi nos fazer prestar atenção ao que estava na frente e atrás da câmera.

A conversão de Jurassic Park para 3D levou nove meses para ser completada.  Então como a equipe conseguiu?  A Stereo D recebeu o material original em 2D e o inseriu em seu sistema patenteado de gerenciamento.

Depois de extensas sessões de identificação, as equipes da Stereo D de Rotoscopia e Profundidade começaram seu trabalho com os componentes contidos em cada quadro do filme.  A equipe de Profundidade utilizou o software patenteado da D, o VDX.  Então, quando necessário, a equipe de VFX (efeitos visuais) acrescentou elementos de realce de 3D, incluindo fumaça, faíscas, chuva ou qualquer tipo de partícula.

Por último, a equipe de pintura da Stereo D acrescentou o polimento final para cada quadro para assegurar um belo resultado final ao preencher as falhas reveladas pelo processo de criar as tomadas em 3D.

Com os filmes atuais, a maior parte da conversão ocorre junto com a produção e a Stereo D recebe seus elementos a cada hora ou a cada dia.  Em um filme pronto como Jurassic Park, o tempo para converter o filme varia baseado em muitos fatores—entre eles: a condição do negativo original, a duração do filme e a relativa dificuldade ou detalhes do conteúdo.

Já que esses elementos naturais como chuva e folhas em uma floresta são considerados algumas das coisas mais difíceis de serem recriadas na conversão, Jurassic Park em 3D forneceu um interessante exercício acadêmico para as centenas de membros da equipe.  De fato, mais pingos de chuva foram convertidos nesse filme do que já foram criados em 3D, garantindo que o público de cinema sinta como se estivessem até os joelhos dentro da aventura com nossos heróis.

A perspectiva de adicionar planos na frente, no meio e no fundo para Jurassic Park em 3D vai fazer você se sentir, por exemplo, como se você estivesse no carro com Tim e Lex quando o T. rex ataca.  De fato, a conversão acentuou as escalas dos dinossauros ao ponto de que você tem a sensação de que pode e deve esticar o braço e tocá-los.

Trazer as plateias para dentro de Jurassic Park é tão importante auditivamente quanto é visualmente.  Os passos de um T. rex correndo em direção à plateia em 3D deveria inerentemente soar mais amplo do que em 2D, então a equipe de design sonoro tirou proveito da tecnologia atual e cinemas modernos para dar ao som mais profundidade e dinâmica.

Para a plateia, não apenas os mugidos pesarosos dos Braquisossauros são mais belos do que antes, os rugidos do raivoso T. rex são mais assustadores.  Curiosamente, para o rugido original do T. rex, o designer de som modificou a gravação de um berro de bebê elefante.  Cortado e arquivado, tocado ao contrário e esticado, esse som foi uma camada dos sons principais de nosso herói dinossauro.  Para empurrar a plateia para dentro dessa cena 3D, o som foi dirigido mais profundamente na direção do público.

E agora vamos voltar no tempo, para onde tudo começou.

Importante: Informações fornecidas por Sony Pictures Brasil

da Redação CFNotícias

 

Tags: