Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

“Morte Acidental de um Anarquista” abre projeto de teatro no Municipal


Em sua Temporada 2019, o Theatro Municipal de São Paulo, agora sob a direção artística de Hugo Possolo, está aberto às novas linguagens artísticas. Toda última segunda-feira do mês tem peças de teatro, é o novo projeto Teatro no Municipal. O espetáculo de estreia é Morte Acidental de um Anarquista, de Dario Fo, com Dan Stulbach e direção de Hugo coelho. A apresentação única acontece no dia 27 de maio, às 20h. Os ingressos custam R$ 5.

Ainda no elenco, Henrique Stroeter (delegado) Riba Carlovich (secretário de segurança), Marcelo Castro (comissário), Maíra Chasseraux (jornalista) e Rodrigo Bella Dona  (guarda). Efeitos sonoros ao vivo de Rodrigo Geribello.

Morte Acidental de um Anarquista parte de um caso verídico, uma controversa investigação de um caso ocorrido em Milão, em 1969, e tem como pano de fundo os ataques terroristas que feriram e mataram dezenas de pessoas nas cidades de Milão e Roma. O mote é o suposto suicídio de um anarquista acusado pelos atentados que teria se jogado da janela do prédio da polícia durante o interrogatório. O caso ficou nebuloso com incoerências nos depoimentos dos policiais envolvidos, porém ninguém foi condenado por falta de provas.

Dario Fo estreou a obra ficcional um ano após o episódio na Itália. A peça, uma comédia, coloca dentro da delegacia naquele dia a figura de um louco revelando práticas de torturas física e psicológica nos interrogatórios policiais. Na dramaturgia, o louco é acusado de falsidade ideológica, por gostar de se passar por outras pessoas, porém se revela mais esperto que o delegado e, ali mesmo, engana a todos fingindo ser um juiz. A peça acabou se tornando a mais conhecida e premiada de Dario Fo.

Com montagens em todo o mundo, em Londres foi encenada com referências ao caso Jean Charles (brasileiro que ficou conhecido após ser confundido e assassinado erroneamente pela Scotland Yard no Metrô de Londres).

Nesta montagem que sobe ao palco do Theatro Municipal com direção de Hugo Coelho, o público é saudado pelo elenco no hall do teatro e convidado a entrar na sala de espetáculos.

Com os espectadores já acomodados, Dan Stulbach entra em cena para contar o que aconteceu na vida real e explicar o porquê de montar o espetáculo, seguindo a estratégia que Dario Fo utilizava em suas apresentações visando uma aproximação e reconhecimento do público. Em seguida, a plateia é convidada a tirar dúvidas a respeito do caso e, só depois de todos estarem prontos, o espetáculo começa.

A produção já percorreu 27 cidades brasileiras. Em cartaz há 4 anos já foi vista por mais de 250 mil espectadores.

Teatro no Municipal

O Teatro no Municipal é um projeto que busca retomar as peças teatrais à programação regular de um dos palcos mais importantes de São Paulo. A curadoria se baseia em montagens profissionais que já tenham estado em cartaz, mas agora poderão ser vistas a R$ 5.  As produções retratam a diversidade da produção teatral, com foco na representatividade.

Em junho é a vez da Peça para Adultos Feita por Crianças. Na obra, as crianças mergulham no universo de Hamlet e inventam brincadeiras para adultos contra a chatice, o antropocentrismo e até para evitar o sentimento de morte em vida. No mês seguinte (julho), é a vez do Gota D’Água Preta que se utiliza de uma traição conjugal para falar de questões raciais, sociais e de classes, também tendo como cenário a realidade do País. No elenco está Juçara Marçal no papel de Joana, uma mulher sofrida que mora num conjunto habitacional e está prestes a ser despejada com os dois filhos; Jé Oliveira como Jasão, um jovem sambista e ex-marido de Joana que está noivo de Alma. Essa, por sua vez, é filha de um corrupto.

Encerrando a primeira temporada do projeto Teatro no Municipal é a vez do espetáculo Mississipi (agosto) que apresenta a Praça Roosevelt em três períodos diferentes — 1999, 2009 e 2019 — tendo como pano de fundo o retrato político e social do Brasil nas épocas retratadas. A produção é da companhia de teatro “Os Satyros”, um dos responsáveis por transformar a paisagem deste local no centro de São Paulo.

* Programação sujeita a alterações.

Crédito das imagens: João Caldas.

Serviço:

Morte Acidental de um Anarquista

Teatro no Municipal

27 de maio às 20h

Ingressos: R$ 5,00 preço único pelo site www.eventim.com.br ou pela bilheteria. Horário da Bilheteria do Theatro Municipal: De segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, e sábados e domingos, das 10h às 17h

Duração: 90 minutos sem intervalo

Classificação etária: 14 anos

da Redação CFNotícias