Go to ...
CFNotícias on YouTubeRSS Feed

Plataforma em VOD Spcine Play oferece dez filmes brasileiros a R$ 3,90 cada


A partir de amanhã, 23 de novembro, os filmes nacionais ganharão uma nova vitrine. A Spcine Play, plataforma de Video Sob Demanda (VOD), levará até ao público produções brasileiros a preços populares. Inicialmente, contará com dez títulos no catálogo. A chegada do novo serviço ao público marca o pioneirismo do consórcio formado para o desenvolvimento do setor audiovisual entre a Spcine, O2 Play (distribuidora da O2 Filmes) e o laboratório de soluções digitais Hacklab. O conteúdo estará acessível em todo o Brasil no site www.spcineplay.com.br.

Por R$ 3,90 cada filme, será possível assistir ao título escolhido durante sete dias.

Com diferentes gêneros e formatos, a Spcine Play chega ao mercado para estimular o público cinéfilo a consumir e a conhecer as produções brasileiras, oferecendo acesso a títulos que muitas vezes estão restritos ao circuito de arte ou em festivais de cinema das grandes cidades.

“Estamos criando uma rede que une os produtores aos espectadores e mercado. Há um elemento inovador e que pode gerar grandes resultados no médio prazo. O produtor que apostar na plataforma será naturalmente recompensado com o sucesso do projeto. Além disso, não vamos exigir exclusividade pela licença de exibição e haverá compartilhamento das estatísticas de audiência. A plataforma ainda vai valorizar o filme em termos de conteúdo, como a apresentação dos destaques e informações complementares da obra”, defende Igor Kupstas, da O2 Play.

Cena do filme “Califórnia”. Crédito: Aline Arruda

Filmes

Nesta primeira fase da plataforma estarão disponíveis “Mãe só há uma”, de Anna Muylaert; “O menino e o mundo”, de Alê Abreu; “Uma noite em Sampa”, de Ugo Giorgetti; “A batalha do passinho”, de Emílio Domingos; “Lira paulistana e a vanguarda paulista”, de Riba de Castro; “Ausência”, de Chico Teixeira; “Califórnia”, de Marina Person; “De menor”, de Caru Alves de Souza; “Paratodos”, de Marcelo Mesquita; e “As fábulas negras”, de Rodrigo Aragão.

da Redação CFNotícias